O discurso conservador: Guias Politicamente Incorreto.

Está havendo uma explosão de guias politicamente incorretos. Mas, eu vejo uma contradição tão grande nesses títulos que chega a me irritar.

Guia politicamente incorreto da Filosofia, guia politicamente incorreto da História do Brasil e América Latina, Politicamente Incorreto por humorista, e por aí vai.

 

A questão é que todos esses títulos de politicamente incorreto não tem nada, em sua grande maioria eles são para reestruturar discursos conservadores que começaram a ser criticados demasiadamente.

 

 

Por exemplo, eu ganhei o guia politicamente incorreto da história do Brasil e da América Latina de uma amiga, eu adorei, li os livros bem rapidamente. Em partes, devo dizer que não há mentiras mesmo nos livros e que eles são bem ricos em fontes e bibliografias, porém no contexto em que as supostas verdades são inseridas, se tornam um tanto perigosas.

 

Por exemplo, citando um trecho do livro do guia politicamente incorreto da história Brasil:

 

Zumbi tinha escravos

 

 

Bom, como diria Nietzsche, toda verdade é relativa, para quem não lê história vai encarar isso de uma forma mais negativa do que verdadeiramente é. O que eu quero dizer nas entrelinhas é: Zumbi não era um falso moralista, um libertador escravista. O que fez Zumbi ser contraditório é as condições em que ele vivia e não o contrário.

Na época de Zumbi, ter terras não era nada, assim como ter propriedades, e coisas do tipo, o que denominava riqueza e ascensão social era ter escravos.

O escravo era a maior propriedade que uma pessoa podia ter, era sinônimo de status.

 

Para os escravos, liberdade não era liberdade para votar, para trabalhar, muito pelo contrário, eles trabalharam forçados durante anos, a liberdade era sinônimo de não trabalhar.

 

Ou seja, tudo que um escravo liberto menos queria era trabalhar, pois o ofício era fortemente ligado a sua escravidão, ao seu passado. Zumbi não era um falso moralista, apenas queria como qualquer ser humano ser parte da sociedade, mesmo que isolado, a sociedade em sua mente ainda existia. Trabalhar estava fora de cogitação, se precisa trabalhar com a liberdade, porque meus senhores não trabalhavam?

 

Isso é um ponto em que o livro não explica, ele ironiza os historiadores e professores de história como nenhum outro. Fora que trata de assuntos como sátiras, páginas da história que são importantes e são densas e que não tem que inserir senso de humor. Já comentei que essa mania de inserir senso de humor em absolutamente tudo é uma das coisas que mais me irritam atualmente.

 

Curiosamente, tudo que eu percebi é que de politicamente incorreto o livro não tem absolutamente nada. Ele não desmascara nada para quem realmente se interessa por história, ele apresenta fatos de uma forma que é facilmente distorcida para a visão conservadora.

Ou seja, “aquele discurso que seu professor de história fazia em prol de mudanças sociais? Desnecessário.”

 

Bem assim. Como se, por exemplo, a questão da escravidão abordada acima, pela visão do livro, fosse sinônimo de deixar os problemas sociais criados em cima disso de lado.

Como se os historiadores estivessem apenas preocupados por “dó” com a questão da escravidão e suas heranças culturais e não de uma forma realmente crítica. Zumbi tendo escravos ou não, não vai fazer a questão de que a grande maioria da população que é afrodescendente ser excluída da alta sociedade uma questão menor.

 

O mesmo se aplica a comédia, a filosofia. Pois esses guias criam uma proteção pro ego de quem escreve, de quem lê sem instrução que não devia ter.

A autocrítica na área de humanas é extremamente necessária, você não lê um livro em busca de cristalizar apenas o que já existe em você, você lê para mudar o seu pensamento, mesmo que seja na base da “autoflagelação”, ou seja, de você sofrer mesmo lendo o livro, mas, após essa leitura perceber o quanto ela foi acrescentativa na sua vida.

 

Esse tipo de leitura vai te fazer simplesmente reafirmar seus próprios defeitos. Não analisa-los, nenhum livro está para apontar especificamente qual são os seus defeitos, os problemas, mas, sendo de humanas, os bons tendem a fazer isso. A desestruturação do pensamento sempre foi o forte das ciências humanas, você somente reafirmar velhos conceitos não é muito interessante.

 

E pior, chamar isso de “politicamente incorreto”, sendo que a política conservadora jorra nas entrelinhas dessas leituras.

 

 

Esse tipo de leitura é aquela bem clássica e errônea quando se trata de humanas, de você super-ressaltar uma figura excluindo a questão social como um todo. Como se a figura fosse a parte quanto a sociedade, e não sofresse nenhum tipo de influência da mesma (como usei o exemplo do Zumbi).

Isso é impossível. Por exemplo, Hitler não seria porcaria nenhuma sem toda a Alemanha. Muito simples, e principalmente, não teria levantado seus pensamentos super nacionalistas se não estivesse acontecendo uma crise social tão grande.

 

Não tem como você ler algo de cunho social, excluindo a sociedade sabe. Seja história, sociologia, até mesmo em “atualidades”. Se for pra ser assim, vai ser uma biografia apenas, e uma biografia não condiz com o que o homem ou a mulher foi socialmente.

Pode até ter pontos interessantes, mas, não os determinantes.

 

Não é estudando especificamente Zumbi, que se entende escravidão. Não é estudando Dom Pedro, que se entende do Brasil império. É uma leitura apenas acrescentativa.

 

Em termos de sociedade, uma pessoa não faz absolutamente nada sozinha, mesmo que ela represente o todo.

 

Não importa se Nietzsche ou Marx foram mulherengos, eles não foram figuras religiosas para ninguém. Não aplicaram nenhuma moralidade, pelo contrário, desestruturam a moralidade alheia. O que importa são suas obras, e isso do falso moralismo da personalidade do autor é sempre um prato cheio para esses guias.

 

Quer conhecer o autor(a) mesmo, não compre uma biografia, compre o livro dele(a), as obras, as ideias. Não o que os outros dizem dele(a).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s