Feudalismo – Um breve resumo para quem se interessa

Pediram pra eu fazer um esqueminha sobre feudalismo já que é uma questão que caí bastante em vestibulares, Feudalismo não tem segredo, é claro que aprofundado se torna mais interessante, foi estudando feudalismo de forma aprofundada que me apaixonei pelo assunto.

Vamos ao que interessa.

O feudalismo foi uma época que foi marcada pelo recolhimento da população européia, a formação do que hoje denominamos por “europeu”, o fortalecimento do catolicismo e após o seu período o renascimento do comércio.Vamos por tópicos, pra entendermos a lógica do feudalismo (se é que é possível).

 

  • Surgimento do feudalismo, recolhimento do europeu.




A gente acredita que o feudalismo surgiu em sua forma mais concreta em meados do século IV, há historiadores que acreditam que o sistema feudal surgiu no século III, isso na teoria não faz muita diferença, é mais pra se localizar mesmo.
Duas ações são apontadas como principais (embora não únicas) causas do sistema feudal surgir.
 
A dominação dos bárbaros tomou todas as fronteiras da Europa,  fechando as fronteiras do comércio dos europeus, inclusive o mar mediterrâneo.
 “Bárbaros” por uma simples questão, todo povo que não era europeu é denominado como bárbaro (xenofobia? Já tem história a xenofobia dos europeus).
Basicamente, foi graças a esse sistema de “portas fechadas” que os europeus foram obrigados a lidar que fez o surgimento do feudalismo, e óbvio que quem ia lucrar nisso era quem detinha terras.
  • Formação dos Feudos, relação de Suserania e Vassalagem, Tributos




As características gerais do feudalismo são: poder descentralizado, economia baseada na agricultura de subsistência, trabalho servil e economia amonetária e sem comércio, onde predomina a troca.
Veja bem, essa informação que o comércio não existe pode ser um tanto preciptada, se existia uma troca, existe o comércio, mesmo que de forma fraca, afinal alguns alunos encaram essa “ausência” do comércio como se cada feudo fosse auto suficiente, sem precisar da troca de mercadorias, e não é bem por ai.
A relação de suserania e vassalagem que eram dois europeu (o nobre e o servo) faziam um acordo um com o outro, em troca de serviços prestados.
Esse acordo é baseado na palavra, portanto a sua palavra é tudo que você tem e tudo que você deve honrar.
Por exemplo:
Pretendo trabalhar para o senhor durante os 4 dias da semana, na sua corveia (terra do manso senhorial), e os demais 3 dias da semana eu trabalharei por conta própria.”
Selado o acordo, a palavra que o servo deu era o “documento” do senhor.
Também devemos lembrar de regras básicas do feudalismo.
  • Talha: parte do que o servo produzia e entregava pro senhor como forma de “pagamento” pela sua moradia.
  • Banalidade: o tributo que os senhores feudais cobravam pelo uso de instrumentos de trabalhos.
  • Capitação: imposto pago por cada membro da família.
  • Tostão de Pedro ou dízimo: 10% da produção do servo era pago à Igreja, pois é gente, o servo penava.
  • Censo: as pessoas livres (que moram nas vilas e burgos) pagavam para os nobres (afinal, essas vilas e burgos estavam em volta dos feudos).
  • Taxa de Justiça: esse tributo é no mínimo hilário, é o que os servos e os vilões (pessoas que moravam nas vilas) deviam pagar para os nobres para terem o DIREITO de serem julgados. (E se fosse um julgamento contra um nobre? Nem preciso dizer né).
  • Mão Morta: no caso que uma pessoa da família morresse, era pago uma taxa por não ter esse servo (pois é), chamada dessa forma sinistra de mão morta, você tinha que bancar o “prejuízo” que o nobre levava.
Existiam outros tributos e impostos na época mas são menos importantes, aliás é interessante ver os impostos para se ter uma idéia do nível de exploração que o servo sofria.
  • O rei de “papel figurativo”, a Igreja que se fortalece

Os nobres eram na sua grande maiora ex-ministros e ex-cargos que eram braços direitos do rei, o que fez a monarquia cair na própria armadilha, todos esses nobres que detinham terras e eram cheios de privilégios cedidos pelos reis passaram a dar as cartas.
Não restou nada para o rei a não ser se submeter ao jogo deles, firmar acordos, pedir apoio, mas o rei mesmo? Não mandava nada.
A Igreja passou a deter um poder mais intenso pois ela passou a se organizar durante o feudalismo.
Conceitos como o da castidade, celibato e afins, afinal naquela altura do campeonato a Igreja já tinha mais terras do que o Império Romano, pois é, e isso tornou a questão da divisão dessas terras por casamento ou herança extremamente perigoso.
Por isso os padres passaram a praticar o celibato (ou seja, não podem casar nem ter filhos), a Igreja também passou a documentar toda seu território.

  • O poder que a Igreja teve, e as polêmicas que correm até hoje

Ai chegamos no ponto polêmico do post, a Igreja não começou como uma instituição ardilosa mas o poder que ela estavam tendo o gosto de ter tornou as questões mais diferentes do que inicialmente propôs o cristianismo.
O cristianismo de fato não podia prever tal poder, foram os próprios europeus que deram todo esse poder pra Igreja, ninguém exatamente pediu isso (ainda).
Com todas as doações de fiéis, a Igreja passou a deter o maior capital em termos de terras do mundo até então, e óbvio que quanto mais a Igreja crescia mais eles queriam.
Primeiro, tornaram a sociedade do feudalismo uma sociedade de ordens. Isso é extremamente importante e determinante.
Uma sociedade de ordens não tem flexibilidade, as classes sociais são determinadas pelo clero, e são nessa ordem:
  • Clero: que tinha obrigação de rezar, e manter a ordem, também detinham todo tipo de conhecimento científico (o que fez a  população emburrecer), para não ter tantas revoltas camponesas faziam a ordem.
  • Nobres: as famílias nobres dos feudos, ou os suseranos.
  • Servos: ou vassalos, ou em outras palavras, os pobres, que trabalham pra toda essa minoria de cima.
Isso tornava a pirâmide social do feudalismo extremamente inflexível, não era possível passar de servo para nobre e vice-versa, o máximo de flexibilidade que existia era de nobre para clero. A Igreja detinha todo o conhecimento científico das antigas civilizações, e pior que isso, emburreceu uma população inteira por um milênio, tornando eles extremamente manipuláveis, fórmula que funciona até hoje. Quer ter total controle sob uma população? Emburreça eles, não priorize a educação ou o conhecimento científico, as pessoas se tornam bem mais manipuláveis.
E o pretexto que a Igreja usava na época era que assim como nos reinos dos céus existia a desigualdade (Deus, Jesus e Maria, Arcanjos, Anjos, Santos, etc), no reino da Terra também existia desigualdade. Isso era o suficiente para calar uma população inteira insatisfeita com um estilo de vida tão trash de viver. Os servos eram a grande maioria esmagadora da população, mas não se davam conta disso.
Nessa época as mulheres detinham o conhecimento científico da medicina, resultado? Se tornaram “bruxas” na visão do catolicismo, porém a Igreja só se torna oficialmente um museu do horror na era Moderna. Ainda não saindo da Idade Média, como a Igreja passou a deter total controle sobre a população, é óbvio que essa população passou a ser extremamente modelada ao estilo cristão, então acontece um dos fatos mais interessantes do feudalismo, é no feudalismo que aparece a figura do europeu.Pois é, antes cada povo da Europa tinha uma particularidade, uma diferença, após o feudalismo todos eles tem um comportamento padrão, parecido, e ai surge o europeu de fato.
Não vou me concentrar nas atrocidades que a Igreja aprontou na época, mas existem vários posts que explicam muito elas, o massacre com a figura da mulher, o conformismo pregado pela religião, entre outras coisas.
  • Considerações

Também é no feudalismo que surge o pensamento que vai ganhar total força no capitalismo, o individualismo, afinal nada mais individual do que ter o seu feudo, suas regras, sua sociedade, sem um poder maior, sem um estado, sem um rei que comande essas ações, sem uma lei universal.
Esse foi o primeiro passo do individualismo, que evoluiu tanto hoje que somos capazes de usar fones de ouvido pra nos separamos no universo do outro.
A segunda questão é que foi durante o período do feudalismo do século IV ao século IX (alguns autores dizem que foi um milênio de feudalismo, ou seja, do século III ao século XIII) que as estações do ano se firmaram.
Ou seja, foi nesse período em que verão, outono, inverno e primavera passaram a se formar de uma forma mais concreta, cada uma com a sua característica o que favoreceu E MUITO a agricultura.
Com esse acontecimento favorecendo os europeus + o fato deles terem se recolhido, fez a Europa ter um crescimento demográfico (populacional) muito intenso, a ponto dos europeus formarem exércitos e reabrirem novamente as rotas do comércio.
Claro que a Europa passa por um período complicado nesse meio tempo de pragas e pestes, mas isso não afetou tanto assim, esse crescimento demográfico acontece novamente.
É onde ganham forças para começarem um projeto da Igreja, as cruzadas, e nas cruzadas está a liberdade de muitos servos (ou seja, a galera toda quer ir pras cruzadas), até porque também quem tinha pendências com Deus (pecados e afins) seria perdoado oficialmente se fosse para as cruzadas.
~Os europeus pira nas Cruzadas~
Mas como eu havia me comprometido a falar de feudalismo, já pararei por aqui, outra curiosidade é que os árabes que cercaram os territórios europeus não submeteram os europeus a nenhum tipo de imposto, ou imposição de cultura e afins, o que é admirável, mas pra época foi onde fez os europeus se fortalecerem.
Anúncios

3 pensamentos sobre “Feudalismo – Um breve resumo para quem se interessa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s